Dra Fernanda Philippi | Turbinectomia Florianópolis
Profissional especializado em Turbinectomia Florianópolis. A turbinectomia é recomendada para pacientes que sofrem de rinite, rinossinusite e inflamação nasal persistente, gerando aumento de tamanho dos cornetos nasais.
15482
page-template-default,page,page-id-15482,page-child,parent-pageid-15311,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
 

Turbinectomia ou Turbinoplastia

Cirurgia Turbinectomia – Dra Fernanda Philippi

A turbinectomia (cirurgia de redução de conchas nasais) é indicada principalmente para pacientes com rinite, rinossinusite ou inflamação nasal persistente, que cursam com aumento do tamanho dos cornetos nasais.

Pacientes que sofrem de ronco e apneia do sono também têm na turbinectomia uma aliada para auxiliar a restabelecer a respiração e trazer a tranquilidade para uma boa noite de sono, sendo por vezes associada a cirurgia de garganta (uvulopalatofaringoplastia).

Como é realizada a turbinectomia?

A cirurgia de redução dos cornetos ou conchas nasais geralmente é associada à septoplastia. As conchas nasais são um conjunto de três estruturas laminares emparelhadas, compostas de tecido ósseo circundado por mucosa intensamente vascularizada, que se inserem na parede lateral de cada cavidade nasal. São a concha inferior, concha média e concha superior.

As conchas mais comumente abordadas na cirurgia de obstrução nasal são a inferior e a média. Mais raramente, numa sinusectomia pode ser necessária a ressecção de concha superior, especialmente durante a abordagem do seio esfenoidal.

Num paciente com rinite ou rinossinusite, normalmente as conchas nasais (cornetos) ficam aumentadas de tamanho devido ao processo inflamatório (hipertrofia de cornetos) ou por variações anatômicas (concha média bolhosa ou aerada), sendo necessária à sua redução cirúrgica.

Quais técnicas cirúrgicas  são aplicadas em uma turbinectomia?

Várias técnicas podem ser empregadas para este fim, tais como a turbinectomia convencional, turbinectomia por vídeo, redução com radiofrequência e turbinoplastia com microdebridador. O importante é que o paciente seja avaliado de forma individualizada pelo médico otorrinolaringologista para que seja escolhida a técnica que mais se adeque ao seu caso. 

Pós-operatório

Da mesma forma que na cirurgia de septo nasal, em virtude do uso dos endoscópios (cirurgia por vídeo), é possível cauterizar sob visão direta até mesmo as regiões mais posteriores dos cornetos nasais, minimizando muito a necessidade do tampão nasal, não sendo raro o paciente já perceber uma melhora na respiração nasal no pós-operatório imediato da cirurgia de nariz e aumentando o conforto na recuperação pós-operatória.

De acordo com a extensão da cirurgia, é necessário um período de repouso variável, sem realização de atividades físicas intensas ou esforços físicos em geral, visando prevenir sangramento pós-operatório ou outras complicações.

WhatsApp
Enviar